Você Sabia?

Você Sabia?

Esta garotinha chamou sua mãe de “gorda” e a resposta de sua mãe viralizou na internet

Quando Allison Kimmey disse a seus filhos que era hora de ir para casa e sair da piscina, sua filha ficou tão chateada que disse ao seu irmão que a mãe deles era gorda. Então Kimmey decidiu ensinar-lhes uma lição.

Depois de chegar em casa, Kimmey  pediu para sua filha subir as escadas que ela queria conversar.

“A verdade é que não sou gorda”, disse Kimmey. “Ninguém é gordo. Não é algo que você pode SER. Mas eu TENHO gordura. TODOS nós temos gordura. Ela protege nossos músculos e nossos ossos e mantém nossos corpos quentes, fornecendo-nos energia.” Kimmey continuou ensinando às crianças que  “gordo(a)” não era uma palavra ruim em casa.

Enquanto Kimmey não consegue controlar o que acontece fora de sua casa e o que as crianças ouvem na escola, ela está determinada a que, em sua casa, as crianças não associem “gordo” a algo ruim, até mesmo com um insulto.

“É nosso trabalho continuar a ser a voz mais alta, mais aceita, mais positiva e CONSISTENTE que eles ouvem”, disse Kimmey.

Kimmey compartilhou sua história no Instagram e viralizou desde então, com mais de 32 mil likes.

My daughter called me fat today. She was upset I made them get out of the pool and she told her brother that mama is fat. I told her to meet me upstairs so we could chat. Me: "what did you say about me?" Her: "I said you were fat, mama, im sorry" Me: "let's talk about it. The truth is, I am not fat. No one IS fat. It's not something you can BE. But I do HAVE fat. We ALL have fat. It protects our muscles and our bones and keeps our bodies going by providing us energy. Do you have fat?" Her: "yes! I have some here on my tummy" Me: "that's right! So do I and so does your brother!" Her brother: "I don't have any fat, I'm the skinniest, I just have muscles" Me: "actually everyone, every single person in the world has fat. But each of us has different amounts." Her brother: " oh right! I have some to protect my big muscles! But you have more than me" Me: "Yes, that's true. Some people have a lot, and others don't have very much. But that doesn't mean that one person is better than the other, do you both understand? Both: "yes, mama" Me: "so can you repeat what I said" Them: "yes! I shouldn't say someone is fat because you can't be just fat, but everyone HAS fat and it's okay to have different fat" Me: "exactly right!" Them: "can we go back to the pool now?" Me: no 🤣🤣 __________________ Each moment these topics come up i have to choose how I'm going to handle them. Fat is not a bad word in our house. If I shame my children for saying it then I am proving that it is an insulting word and I continue the stigma that being fat is unworthy, gross, comical and undesirable. Since we don't call people fat as an insult in my household, I have to assume she internalized this idea from somewhere or someone else. Our children are fed ideas from every angle, you have to understand that that WILL happen: at a friends house whose parents have different values, watching a tv show or movie, overhearing someone at school- ideas about body image are already filtering through their minds. It is our job to continue to be the loudest, most accepting, positive and CONSISTENT voice they hear. So that it can rise above the rest. Give me a 🙌🏻 if this resonated w u! Just do you! Xoxo Allie

A post shared by ALLIE 🌸 Just Do You, Babe! (@allisonkimmey) on

Saiba mais detalhes da conversa que ela teve com seus filhos:

Allison Kimmey diz:

Minha filha me chamou de gorda hoje. Ela estava chateada por eu ter feito eles saírem da piscina e ela disse a seu irmão que a mãe era gorda. Eu disse a ela para me encontrar no andar de cima para que pudéssemos conversar.

Eu: “O que você falou sobre mim?”

Ela: “Eu disse que você era gorda, mãe, me desculpe”

Eu: “Vamos falar sobre isso. A verdade é que eu não sou gorda. Ninguém é gordo. Não é algo que você pode SER. Mas TER. TODOS têm gordura. Ela protege nossos músculos e nossos ossos e mantém nossos corpos quentes, fornecendo-nos energia. Você tem gordura?”.

Ela: “Sim! Eu tenho alguns na minha barriga”.

Eu: “Isso! Assim como eu e seu irmão!”.

Seu irmão: “Eu não tenho gordura, eu sou o mais magro, eu só tenho músculos”.

Eu: “Na verdade todo mundo tem gordura. Mas cada um de nós tem quantidades diferentes”.

Seu irmão: “Ah, sim! Eu tenho um pouco para proteger meus músculos! Mas você tem mais do que eu”.

Eu: “Sim, isso. Algumas pessoas têm muito, e outras pouco. Mas isso não significa que uma pessoa seja melhor do que a outra, vocês dois entenderam?”.

Ambos: “Sim, mãe”.

Eu: “Então vocês podem repetir o que eu disse?”.

Eles: “Sim, eu não devo dizer que alguém é gordo, porque você não pode ser gordo, mas todo mundo tem gordura e todos são diferentes”.

Eu: “Exatamente!”

“Cada momento que surjam estes tópicos, eu tenho que escolher como eu vou lidar com eles. ‘Gordo(a)’ não é uma palavra ruim em nossa casa. Se eu disciplinar meus filhos a pensarem assim, estou provando que “gordo(a)” é uma palavra insultante e continuo com o estigma de que ser gordo é indigno, grosseiro, cômico e indesejável.”

Todo mundo quer que seus filhos cresçam sabendo como tratar todos com bondade e respeito, mas em uma sociedade que não valoriza as diferenças, pode ser difícil dar o exemplo. Desde cedo. a palavra “gordo(a)” foi nos ensinada como algo ruim e algo ruim de ser. As crianças usam essa palavra como insulto muitas vezes e isso pode afetar a auto estima de uma criança até a idade adulta.

Esperamos que o exemplo de Allison Kimmey nos e ajude a criar uma sociedade sem preconceitos ou estereótipos perfeitos de beleza.

Mais informações: Instagram

CONTINUAR LENDO

Posts relacionados